sexta-feira, 15 de março de 2019

CELEBRANDO A CULTURA CAIÇARA

A Semana da Cultura Caiçara de Santos, lei 2920/2013, em sua 6ª edição, prevê uma ampla programação voltada à cultura caiçara, suas atividades envolvem música, dança, teatro, literatura, contação de histórias, artes visuais, artes plásticas, cinema, gastronomia, debates, oficinas, esportes e turismo de base comunitária. 
Com realização da Prefeitura de Santos, curadoria de Márcio Barreto, as comemorações envolvem várias regiões de Santos, bem como Guarujá e São Vicente com fortes heranças caiçaras.
Já inserido no Calendário Oficial de diversas cidades (Santos, Guarujá, São Vicente, São Sebastião, Cananeia, Ubatuba, Paraty entre outras), em Santos a Semana terá ações em escolas, universidades, comunidades de base, feiras, equipamentos turísticos e demais espaços públicos e naturais, visando também o fortalecimento de redes de empreendedorismo criativo e sustentável que possibilitem a troca de bens e serviços culturais, bem como a circulação das pesquisas referentes ao caiçara e suas relações com o Meio Ambiente.
De fundamental importância para a formação da identidade nacional, o caiçara representa a gênese e o desenvolvimento de uma cultura que nasce no litoral, nos primeiros anos da Colonização, através da miscigenação entre o indígena, o europeu e o africano, e depois expande-se pelo território brasileiro através dos Bandeirantes, tropeiros e pelos diversos ciclos econômicos pelos quais passou. A região de Santos, dada sua abrangência histórica que remonta às primeiras décadas da colonização, é um importante campo de estudo para a cultura caiçara. Presente ainda em regiões como Ilha Diana e Caruara, núcleos ligados à pesca e ao trabalho com a terra e que, por isso, guardam as tradições caiçaras, observa-se a contemporanização dessa cultura, adaptando-a às suas novas necessidades.

Tramita na Câmara de Santos projeto de lei para mudança da data de comemoração de março para maio, saindo do período da Quaresma, através da vereadora Telma de Sousa.

PROGRAMAÇÃO
(sujeita a alterações)

15/03 | Sex
Pinacoteca Benedito Calixto
20h – Abertura Oficial da 6ª Semana da Cultura Caiçara de Santos

16/03 |Sab
Ponte Edgard Perdigão
10h – Passeio e oficina fotográfica através de trilhas e comunidades caiçaras. Itinerário: Ponte Edgard Perdigão, Nossa Senhora dos Navegantes, Góis e Sangava.

Estação da Cidadania
18h – Feira Imaginária
Feira de livros de editoras independentes da região e bate-papo com autores.

20h – Pindorama
Encontro de Rap Caiçara

17/03 |Dom
Itaquitanduva
09h – Mar Selvagem
Passeio e oficina fotográfica pela trilha do Parque Estadual Xixová-Japuí que leva à uma das poucas praias selvagens da região, Itaquitanduva, frequentada, principalmente, por surfistas. Saída: Centro de Visitantes do Parque Estadual Xixová-Japuí. Com Anak Albuquerque

10h – Café da manhã comunitário

11h – Surfe Raízes
Oficina sobre história e prática do surfe e suas relações com a cultura caiçara. Com Danilo Alves

12h – Ação Ambiental
Coleta de resíduos sólidos e plantio de sementes nativas

Estação da Cidadania
18h – Sarau Caiçara

19/03 |Ter
Associação Cultural Jose Marti
19h – Cine Caiçara
Exibição do filme “Hans Staden” de Luiz Alberto Pereira, e bate-papo com o escritor e crítico Flávio Viegas Amoreira

20/03 | Qua
Morro Santa Maria
14h – Batalha do Conhecimento
Leitura e interpretação de poetas caiçaras adaptando seus textos para o flow do Rap

21/03 | Qui
Caruara
10h – Batalha do conhecimento
Leitura e interpretação de poetas caiçaras adaptando seus textos para o flow do Rap

14h - Projeto Leia Santos (Prefeitura de Santos)
Doação de livros e revista

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019


Lançamento do livro "A Desmemória e seus outros nomes" de Márcio Barreto (Editora Imaginário Coletivo) - Sexta Cultural (Estação da Cidadania)

O lançamento contará com Sarau Caiçara, Feira Imaginária (livros) e a participação do Percutindo Mundos, Mc Dany, Douglas Drez, Nytria, Orpheu, Martin, os escritores Flávio Viegas Amoreira, Madô Martins, Regina Alonso e convidados. No dia a jornalista Hele Alves será homenageada com exposição da fotógrafa Myriam D'Almeida.

A obra reúne os últimos quatro livros de Márcio Barreto (O novo em folha; Nietszche: ou do que é feito o arco do violino; Mundocorpo; Macunaímabladerunner), poemas inéditos e entrevistas que marcaram sua produção literária de 2010 a 2018. Com prefácio de Ademir Demarchi, Flávio Viegas Amoreira, Manoel Herzog, Laercio Silva, Madô Martins, Maria José Goldschmidt, Oscar Dambrosio e Carlos Pessoa Rosa, o livro é um monumento móbile às memórias e desmemórias que nos formam.

Nascido em Santos, Barreto é pesquisador da cultura caiçara e utiliza diversas linguagens para expressar suas questões como a literatura, edição de livros, música, cinema, dança, arte-educação, educação social. Segundo o escritor e crítico literário Flávio Viegas Amoreira “Márcio Barreto é demiurgo e exegeta ao mesmo tempo sempre. Encontrar um novo poeta com essa qualidade e voracidade não é pouca coisa: Márcio tateou, sondou todas artes até entregar-se com perícia de artesão que é em todas, à literatura: nela estão contidos o músico na origem, o olhar cinético do documentarista, o homem lançado ao mundo como ele se dá, um poeta da existência, um existencialista lírico.”

O escrito Manoel Herzog, outro prefaciador do livro, comenta “É saber mesclar a dodecafonia à percussão dos atabaques, é impor o fluxo de consciência joyceano à língua tupi, a banana aos sabores caucasianos. Somo aqui a minha voz aos cultores da obra do multiartista Márcio Barreto.

Publicou sete livros entre eles “Ácidos Trópicos” e “Wisnikianas” – dramaturgia, “Mar Selvagem (org.)”, “Mundocorpo”, “Macunaímabladerunner” – poesia. Atualmente trabalha na edição de seu romance “Totem” com previsão de lançamento para este ano. É também compositor e líder do coletivo Percutindo Mundos que criou profundos laços com a música de Gilberto Mendes, ao qual é dedicado o livro, tendo encerrado o último Festival Música Nova (criado pelo compositor em 1962), na USP em Ribeirão Preto. Parceria que se estende à obra do decompositor Livio Tragtenberg,  que sobre o livro comenta:

“Quando se levanta, desce a cortina da realidade.
quando se deita, sobe
às nuvens, a imaginação.
num purgatório de experiências humanas,
se situam as desmemórias de márcio barreto.
o apagamento doloroso que nos propõe,
com ácida ironia,
onde um olhar de soslaio, transversal,
busca fendas entre realidades.”

A escritora e psicóloga Maria José Goldschmidt comenta “Ler Márcio Barreto significa extraviar, esquecer, desmemoriar, melhor, sim, desmemoriar os livros lidos, os nomes conhecidos, os universos literários, desligar nossas belas músicas populares e imergir em Wagner. Visionar o índio em silêncio a espreitar o futuro passado. Movimento incessante de uma nau que rodopia num rodamoinho do oceano onde a Realidade marca o chão e puxa para fora e joga na calmaria mais uma vez, mas logo leva o leitor a adentrar os labirintos das palavras onde a Terra sem Males fica cada vez mais distante. “O mundo está nu!”. Macunaíma somos nós. O fogo sempre será roubado e o corpo é nosso mundo. Sigamos com os olhos abertos. Sigamos com esse mestre humilde menino imenso.”

Lançamento
A desmemória e seus outros nomes
Márcio Barreto (Editora Imaginário Coletivo)
14cmx21cm
332 páginas
R$ 40,00
Estação da Cidadania
Avenida Ana Costa, 340
Santos SP

foto Roberta Tiberio

sábado, 25 de agosto de 2018

O incrível sonho do tupinambá


Percutindo Mundos
O incrível sonho do tupinambá

Nascido em Santos, litoral paulista, o coletivo mistura suas pesquisas sobre identidade e cultura caiçara a um experimentalismo que une diversas linguagens artísticas como a música, poesia, cinema, dança e artes visuais para criar uma estrutura ousada e multilinguística, onde a sinestesia é a matéria bruta para recombinações sonoras que remetem a um universo visual-cinematográfico caracterizado pela música-cinema (fragmentações de filmes, discursos, cenas, ruídos). Da criação de instrumentos musicais à ideia de uma gênese caiçara capaz de repensar o futuro, o coletivo tem parcerias com figuras centrais da música contemporânea brasileira como Gilberto Mendes e Livio Tragtenberg que participam de seu primeiro CD O Cinema Invisível.

"O incrível sonho do tupinambá" é uma intervenção/protesto/improvisação. Um poema aleatório sobre a busca da terra sem males (sonho mítico do povo tupinambá sobre o paraíso na terra) e de como memórias esquecidas podem ser transformadas em música contemporânea caiçara, um passeio por estranhas paisagens sonoras, ideias genesíacas e futuros inventados.
A apresentação contará com lançamentos dos livros da editora Imaginário Coletivo, que vem se destacando pelo diálogo profundo com as literaturas locais e a internet: Mar Selvagem – Vicente de Carvalho Revisitado – Márcio Barreto (org.), Territórios Invisíveis – Maria José Goldschmidt (poesia e fotografia), Circo Teatro: uma Bella Companhia – Plinio Augusto (ensaio), Pessoa doutra margem – Flávio Viegas Amoreira (poesia) e As desmemórias e seus outros nomes – Márcio Barreto (poemas reunidos).
O repertório mergulha na fusão entre o ancestral e o contemporâneo, o folclórico e o erudito, o popular e o experimental através da composição em tempo real, do improviso e da aleatoriedade ambientados pela música-cinema, a utilização de instrumentos convencionais e inventados, a literatura, a música falada, o ritmo e a poesia. Com Márcio Barreto (voz, quimbau, ronda smetakeana, omnitábula, rabeca, teclado, acordeon, escaleta, flauta doce, clarinete, trompete, percussão) e convidados.
foto Christina Amorim

Percutindo Mundos
O incrível sonho do tupinambá
21/09 | Sex | 20h
Audio Rebel
Rua Visconde de Silva, 55
Botafogo, RJ

segunda-feira, 14 de maio de 2018


A Semana da Cultura Caiçara de São Vicente promove o debate sobre a metropolização da cultura caiçara através do encontro de ações entre governo, entidades socioculturais, coletivos artísticos e comunidades tradicionais da região.
Voltada ao diálogo entre as gerações e à valorização do território através de seus mapas afetivos, a Semana marca um importante passo na formação cultural das novas gerações, possibilitando o contato com nossa rica cultura caiçara, com o sentimento de pertença, identidade e história cultural.
Em sua segunda edição a Semana homenageia as famílias caiçaras da Baixada Santista e tem como tema a valorização da cultura local através do encontro entre a ancestralidade e a contemporaneidade. Através de seus artistas, pesquisadores e produtores culturais a programação conta com música, cinema, dança, contação de histórias, teatro, bate-papo, turismo, esporte e gastronomia.

A Semana da Cultura Caiçara é um projeto de valorização e divulgação da cultura caiçara amparado pela Lei N° 3312 06 de abril de 2015, que sanciona as comemorações à cultura caiçara no Calendário Oficial da cidade de São Vicente, litoral de São Paulo e pela Lei Estadual 16.290/2016. Realização Prefeitura de São Vicente, Secretaria de Cultura, Secretaria de Turismo, Secretaria de Educação, Secretaria de Esportes, Fundo Social, Imaginário Coletivo de Arte, Percutindo Mundos. Organização e Curadoria Márcio Barreto

CRONOGRAMA
(Sujeito a alteração)

14/05 (segunda-feira)
Vila de São Vicente
18h00 ¬– Abertura Oficial
18:30 – Abertura da exposição fotográfica “Mar em Nós”
19h00 – Sarau Caiçara
Artistas de diversas linguagens se encontram para celebrar e debater a cultura caiçara através da música, teatro, dança e literatura. Com a participação especial do coletivo Percutindo Mundos, Danilo Nunes, Brunão Mente Sagaz, Flávio Viegas Amoreira, Márcio Barreto

15/05 (terça- feira)
Rede Municipal de Ensino
EMEF Mauro Aparecido de Godoy
10h00 e 14h00 – Escola Caiçara
Bate-papo, teatro e contação de histórias sobre cultura caiçara
Espaço Surfe Raízes
19h00 – A Identidade Caiçara (bate-papo)
Bate-papo sobre identidade e território caiçara com o pesquisador Marcio Barreto
20h00 -  Apresentação da Programação da II Semana da Cultura Caiçara de São Vicente

16/05 (quarta- feira)
Rede Municipal de Ensino
EMEF Luiz Beneditino Ferreira
10h00 e 14h00 – Escola Caiçara
Bate-papo, teatro e contação de histórias sobre cultura caiçara
Rádio Silva – Unifesp
18h30 – O Caiçara
Programa especial da Rádio Silva – Unifesp sobre a cultura caiçara de São Vicente

17/05 (quinta- feira)
Rede Municipal de Ensino
EMEF Francismo Martins dos Santos
10h00 e 14h00 – Escola Caiçara
Bate-papo, teatro e contação de histórias sobre cultura caiçara
Espaço Surfe Raízes
11h00 e 15h00 - Leitura Radical
Atividade de leitura com alunos da escola Antonio Luiz Barreiros
16h00 – Oficina de Arte na Madeira
Com o artesão e escultor Dinho Santos
20h00 – Música ao vivo com Marquinhos Lima
Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente
19h00 – História e Restauração
A preservação do patrimônio material e imaterial da cultura caiçara. Com o restaurador Leonardo Branco.
20h00 – CineCaiçarama
Mostra de curta metragens com produção caiçara

18/05 (sexta- feira)
Rede Municipal de Ensino
EMEF Luiz Pinho de Carvalho Filho
10h00 e 14h00 – Escola Caiçara
Bate-papo, teatro e contação de histórias sobre cultura caiçara
Espaço Surfe Raízes
11h00 e 15h00 - Leitura Radical
Atividade de leitura com alunos da escola Antonio Luiz Barreiros
16h00 – Oficina de Arte em Papel e Colagem
20h00 – Música ao vivo a banda BRUTA FLOR
Vila de São Vicente
19h00 – Cultura, tradição e inovação (bate-papo)
 O encontro entre representantes do governo, entidades culturais, coletivos artísticos e comunidades tradicionais discute os rumos para a metropolização das comemorações da Semana da Cultura Caiçara na Baixada Santista através da legislação e da criação de novos mecanismos para a preservação e divulgação da cultura caiçara

19/05 (sábado)
Baia de São Vicente | Praça Tom Jobim
09h00 – Remada Caiçara
Remada com participação aberta para canoas, pranchas, caiaques, etc., com saída na praia da Biquinha
Espaço Surfe Raízes
22h00 – Música ao Vivo com a banda Ant.Destino

20/05 (domingo)
Praia de Itaquitanduva
08h00 – Circuito Surfe Raízes 2018
10h00 - Visita à praia de Itaquitanduva através de trilha
11h00 – Ação de limpeza da praia de Itaquitanduva
Instituto Histórico e Geográfico de São Vicente
16h00 – Literatura Caiçara
A oficina aborda temas relacionados a literatura caiçara através de seus escritores e a análise de suas obras com foco na ação criativa poética. Com o escritor e crítico literário Flávio Viegas Amoreira
Espaço Surfe Raízes
14h00 – Música ao Vivo com a banda THE WAVES
17h00 – Música ao Vivo com a banda Som Caiçara
20h00 – Música ao Vivo com a banda Oskaravelhu

sábado, 3 de fevereiro de 2018

CONVOCATÓRIA 2018 - 5ª SEMANA DA CULTURA CAIÇARA DE SANTOS




CONVOCATÓRIA 2018
5ª SEMANA DA CULTURA CAIÇARA DE SANTOS
Convocatória 2018 recebe inscrições para a programação da 5ª Semana da Cultura Caiçara de Santos que será realizada de 15 a 21 de março de 2018.

1. INTRODUÇÃO
1.1. A Comissão Organizadora da 5ª Semana da Cultura Caiçara de Santos, informa aos interessados os procedimentos para apresentação de projetos artístico-culturais para a programação do ano de 2018.
1.2. O presente chamamento cumpre apenas função informativa em relação à programação cultural prevista para 2018. Serão aceitas e analisadas somente propostas/projetos que obedecerem às condições e requisitos técnicos descritos.
1.3. A Comissão poderá, a seu exclusivo critério, selecionar projetos para compor a sua programação cultural destinando aporte financeiro total, parcial.
1.4. Os projetos serão selecionados para compor a programação do ano de 2018.
1.5. A seleção dos projetos não implica necessariamente na sua contratação. A Comissão Organizadora se reserva ao direito de alterar o formato ou de não realizar as programações, atividades e/ou ainda incluir projetos próprios ou especialmente convidados, de acordo com seus objetivos de atuação.
1.6. As inscrições devem ser realizadas exclusivamente pelo envio do projeto através para o e-mail: 5semanadaculturacaicaradesanto@gmail.com
1.7. É considerado representante legal a Pessoa Jurídica responsável pelo projeto.
1.8. É considerado proponente o usuário Pessoa Física que inscreve o projeto.
1.9. São considerados selecionados os projetos aprovados que poderão compor a Programação Cultural da 5ª Semana da Cultura Caiçara de Santos, em consonância com a cláusula 1.4.
1.10. São considerados suplentes os projetos que irão compor o banco de dados, não se obrigando, a Comissão Organizadora, a divulgar os projetos que pertençam a essa categoria, tampouco a contratá-los.
1.11. Datas e horários das apresentações serão definidas pela Comissão Organizadora, posteriormente.

2. ABRANGÊNCIA DA ATUAÇÃO CULTURAL DA SEMANA DA CULTURA CAIÇARA DE SANTOS
2.1. A Semana da Cultura Caiçara de Santos abrange atividades culturais nas linguagens de Artes Cênicas, Artes Visuais, Audiovisual, Música, Literatura, Turismo, Gastronomia e Esporte.

3. OBJETIVO
3.1. O presente Edital de Chamamento visa identificar propostas e projetos artísticos que estejam em consonância com as diretrizes da 5ª Semana da Cultura Caiçara de Santos: democratizar e ampliar o acesso à cultura, bem como incentivar a produção e a difusão de obras das mais variadas vertentes artísticas que dialoguem com a cultura caiçara em seu âmbito tradicional e/ou contemporâneo.

4. ORÇAMENTO
4.1. Os projetos devem obrigatoriamente apresentar planilha orçamentária. Propostas que não apresentarem orçamento serão automaticamente desclassificadas.
4.2. No orçamento deverão constar itens relacionados à produção e cachê para a realização do projeto.

5. PRAZOS
5.1. Os prazos estabelecidos para recebimento dos projetos previstos neste edital de chamamento são: 02 de fevereiro a 2 de Março de 2018.
5.2. O prazo de inscrição online encerra-se, impreterivelmente, às 23h59min (horário de Brasília) do dia 2 de março de 2018. Não serão consideradas as inscrições de projetos após o encerramento.

6. INSCRIÇÕES
6.1. As inscrições serão realizadas exclusivamente via e-mail.
6.2. Deve-se anexar os seguintes documentos ao projeto:
- Planilha de orçamento detalhada (obrigatório);
- Clipping do grupo/artista - no máximo 05 matérias (obrigatório);
- Projeto artístico da proposta (recomendado);
- Desenhos, croquis ou referências do cenário, figurino e visagismo (opcional);
- Desenho da luz (opcional);
- Imagens ou registros relevantes à concepção ou visualização do projeto (opcional).
- Site do grupo/artista ou página em redes sociais (recomendado);
- Vídeo de outros espetáculos do grupo/artista em youtube, vimeo ou websites similares (recomendado);
6.2.1. Ressaltamos que cabe ao proponente garantir que os arquivos permaneçam hospedados no endereço eletrônico informado durante todo o processo de seleção.
6.3. A Comissão Organizadora não se responsabiliza por inscrições não concluídas devido às falhas tecnológicas, tais como: problema em servidores, transmissão de dados, provedores de acesso ou ainda lentidão provocada pelo excesso de acessos simultâneos. Por essa razão, sugere-se aos interessados que concluam suas inscrições com antecedência, evitando dificuldades técnicas que possam ocorrer nos últimos dias do prazo da inscrição.
6.4. O endereço de correio eletrônico e os telefones informados no envio do projeto são os canais de comunicação entre a Comissão Organizadora e o proponente. É responsabilidade do proponente manter ativo e atualizado o endereço eletrônico e os telefones informados.

7. ANÁLISE DOS PROJETOS
7.1. Não serão analisados projetos cuja inscrição esteja incompleta.
7.2. Comissões de Seleção serão estabelecidas pela Comissão Organizadora para a análise dos projetos e seleção deste edital.
7.3. Os critérios de seleção dos projetos artístico-culturais de todas as linguagens são:
7.3.1. Atendimento a todos os requisitos deste Edital, inclusive seus aspectos formais.
7.3.2. Relevância conceitual e temática: conceitos que evidenciem a importância histórica, cultural e artística na perspectiva de contribuição ao enriquecimento cultural das comunidades caiçaras.
7.3.3. Relevância cultural: rigor da pesquisa de linguagem e/ou contundência da pesquisa; histórico do grupo ou do artista, importância reconhecida de público e de crítica especializada; aderência aos temas e questões da contemporaneidade e da tradição cultural caiçara.
7.3.4. Viabilidade técnica: qualificação dos artistas e técnicos envolvidos no projeto, capacidade de realização e comprometimento com o projeto.
7.3.5. Adequação física: compatibilidade técnica com o espaço e os recursos disponíveis, bem como a portabilidade da produção permitindo a adaptabilidade aos espaços durante a circulação e convívio com outras produções.
7.3.6. Adequação financeira: compatibilidade e coerência entre a proposta e o orçamento – quando solicitado.

8. RESULTADOS
8.1. Os resultados da seleção dos projetos serão comunicados diretamente aos inscritos.
8.2. A comissão de seleção divulgará somente os projetos considerados selecionados, não se obrigando, a Comissão Organizadora, contratar as propostas.

sábado, 13 de janeiro de 2018


35º Sarau Caiçara 


Realizado desde 2008 no litoral paulista, o sarau propõe um diálogo de continuidade e reflexão entre o ancestral e o contemporâneo, o local e o universal através do encontro entre o público, artistas e pesquisadores para celebrar e debater a cultura caiçara a partir da literatura, música, artes visuais e dança. Com o coletivo Percutindo Mundos, Bruno Davoglio, Anak Albuquerque, Danilo Nunes, Marina Machado, André Barros, Lufer, Jorge Henrique, Zezé Goldschimidt, Andréia Passos, Syro e Vitor Barreto.  Apresentação e curadoria Márcio Barreto. Com palco aberto ao público.



Local: Arena Praia
Sesc Interlagos
14/01/18 | DOM | 14 às 16h



Foto: Anak Albuquerque


domingo, 24 de dezembro de 2017

II Semana do Meio Ambiente - USP

O SEMAGEO da Ligea foi proposto com o intuito de debater e propor visões multifacetadas das questões de meio ambiente. Para isso, procuramos dialogar com atores representantes de diversos segmentos da sociedade: educacional, acadêmica, político, governamental e cultural.