terça-feira, 27 de abril de 2010

Transcontemporaneidade

Márcio Barreto (Percutindo Mundos), Gilberto Mendes e Flávio Viegas Amoreira



Como fazer para que a fome do novo e a arte possam permanecer vivas em nossos olhares? Como não nos acomodarmos em verdades esfarelantes? Ao ver Gilberto Mendes essas perguntas vão aos poucos se respondendo. Histórica e atual sua contribuição para a música é incontestável. Sua procura, experimentalismo, sentimento e racionalismo surpreendem a cada dia, ano, década, pois há um momento na vida que a ancestralidade encontra o contemporâneo e produz obras únicas e livres do tempo. Gilberto Mendes é assim.

Gilberto Mendes, compositor

Ao nos encontrarmos em sua casa junto a Flávio Viegas Amoreira, escritor e crítico literário, e o pianista e compositor Tarso Ramos, em meio a conversas, músicas, lembranças e filosofias, foi colocado em pauta a necessidade premente de, uma vez mais, unir artistas de diferentes linguagens e concepções para provocar novos desdobramentos e olhares sobre a produção da arte santista, uma arte que seja coletiva, fruto da interatividade, da busca pelo novo. Assim, esse encontro simboliza a semente de um movimento capaz de tornar nossa região um pólo cultural vanguardista e universal, um grupo que represente as artes visuais, a música, o teatro, a dança. Um movimento que proponha a “transcontemporaneidade”, o resgate de nossa história e nossa viagem rumo à uma nova concepção de arte.

Flávio Viegas Amoreira, escritor e crítico literário


As bases desse encontro serão discutidas no 6º Sarau Caiçara que acontece na Pinacoteca Benedito Calixto (Av. Bartolomeu de Gusmão, 15 – Santos /SP), dia 01/05 as 16 hs, momento em que vários artistas estarão reunidos em torno da discussão sobre nossa identidade e produção cultural.

Tarso Ramos, compositor e pianista

Unir, celebrar, compactuar com o universo.

Márcio Barreto (Percutindo Mundos)

3 comentários:

Sawae disse...

Lendo o post e imaginando os desdobramentos deste Sarau, se revigora a fé na evolução da arte e da arte santista.

Parabéns.
Transcontemporâneidade já.

Fragmentos de Reportagem disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
PerCuTinDoMuNdOs disse...

trancontemporaneidade já! perfeito... busquemos o novo no ancestral...